O que desgasta o amor?

Não é de hoje que o amor é mal vivido e mal conseguido. Não é de hoje que o homem tem a grande capacidade de amar e de autodestruir a sua relação, ainda que involuntariamente. Hoje falo-vos do que estraga o amor, o que o desgasta irreversivelmente e de certo modo, como evitar uma situação semelhante.

“Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia. (…) Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura?”

Miguel Esteves Cardoso – Elogio ao amor

Somos seres cheios de capacidades que provavelmente nem damos conta e nem conseguimos explorar por esse mesmo motivo – uma delas é amar com toda a plenitude da palavra. Contudo é evidente a crise de valores que se instala dentro das relações e o impacto que esta tem. Essa dita crise passa pelas ações feitas (e pelas que não são feitas), passa por toda uma questão de sinceridade e dedicação que já deveria estar incluída com o sentimento. Amar não tem preço e ser amado é a melhor prenda e o melhor vencimento que o nosso coração pode obter.

desgastar o amor

Deixo agora alguns factos que desgastam o amor e de que modo esta situação pode ser evitada:

Quando o amor se torna rotina – Não é novidade que muitos casais vivem a rotina de maneira sistematizada e repetitiva. É este um precisamente um dos pontos de desgaste do amor – A repetição das mesmas ações, das mesmas conversas, dos mesmos locais, das mesmas pessoas. Por vezes é necessário sair um pouco do habitual e arrojar um pouco. A rotina não tem que ser de todo um aspecto negativo, contudo deve ser aproveitada da melhor maneira, inovando e criando, sem grandes complexos, às vezes uma simples ação pode mudar todo o contexto de vida social, de diversão, de cumplicidade – o que fortalece e renova o amor. Por vezes a rotina leva ao fim de uma relação e muitas vezes a pergunta porque os homens perdem o interesse é feita em vão.

Fala-se muito mas conhece-se pouco – Costuma dizer-se que a falar é que nos entendemos, mas não é apenas uma questão de compreensão, é também uma questão de conhecimento. O diálogo é fulcral para o conhecimento do casal. É essencial a partilha de experiências, de ideias e a discussão das mesmas. Sugiro uma boa noite de descanso com o seu parceiro, num lugar calmo onde possam debater vários aspectos de interesse, sem interesse, com ou sem sentido. O ser humano é idealista por natureza e na sua grande maioria sente a necessidade de expressar os seus pensamentos pois por mais que a arte prevaleça nada se compara à sensação de compreensão, de partilha e troca de experiências. O amor e a cumplicidade conseguida através da partilha de ideais são dois aliados perfeitos à unificação e ao reforço do amor. Aprenda como pode se aproximar do seu homem.

Passividade excessiva – Quando não há iniciativa pressupõe-se uma falta de vontade para agir. A passividade é uma eterna inimiga da diversão, da descontração, do relaxamento e é simultaneamente uma constante nos casais. A falta de ideias e de sugestões é a curto ou médio prazo desgastante, tornando a relação aborrecida, tensa e monótona. Crie confiança em si própria(a) e aprenda como pode surpreender a sua namorada.

Amor pressupõe amizade – Não se ama sem gostar da pessoa, sem se querer bem e sem se conhecer ou conseguir avaliar o valor da amizade. E na minha opinião o amor tem de ter uma base muito sólida no que diz respeito à amizade. Amar só porque convém, porque a pessoa parece ser a certa ou por questões pouco emocionais, acabará por estragar a relação, levando a conflitos relacionados com os sentimentos e a estabilidade do casal. É imprescindível que seja amigo do seu parceiro, que procure dar-lhe conforto e mais para além da relação amorosa.

O Controlo sobre o parceiro – É frequente especialmente quando uma relação começa sem confiança – e aqui todos os pontos anteriores são justificados. Quando uma relação não tem como base o conhecimento mútuo, o respeito, a amizade, o diálogo e a confiança é evidente que surgirão dúvidas acerca do comportamento e do pensamento da pessoa amada. Controlar pode ser normal e saudável, mas dentro de um limite muito restrito, quando o amor se torna obsessão o caso muda de figura. O seu contrário leva a desentendimentos que inevitavelmente poderão conduzir ao desgaste e até ao fim da relação.

É claro que nenhum destes pontos é irreversível, errar é humano e cada um de nós pode agir por impulso, acabando por causar algum dano. Contudo quando se ama o amor prevalece acima de qualquer desavença, apenas há que olhar em direção ao amo, essencialmente um olhar na mesma perspectiva e para o mesmo caminho: o da felicidade, da estabilidade, da compreensão, do respeito e do carinho. São estas as peças que completam o grande puzzle do amor.

Artigo escrito por Patrícia Gargaté, estudante na área de jornalismo, colaboradora do Sentimento Calmo.

6
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Saraiva Filipe MHumberto J. C. MartinsSentimento CalmoSuellen Ferreirasome man Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

newest oldest most voted
Saraiva Filipe M
Visitante

Interessante!

Humberto J. C. Martins
Visitante

EXACTO!!!

Sentimento Calmo
Visitante

Ficamos contentes que tenha gostado 🙂

Suellen Ferreira
Visitante
Suellen Ferreira

Interessante!

some man
Visitante
some man

Exato