O barba azul

Quando criança, tinha pavor da história do “Barba Azul” – homem rico e feio que matava todas as suas mulheres que porventura entrassem em um determinado quarto do castelo. Na adolescência fui apresentada a uma nova versão do personagem, quando uma professora de literatura disse: “meninas, fujam dos Barba Azul – sempre galanteadores e infiéis”.

Cursando filosofia, em uma releitura desse conto infantil, fui apresentada a mais uma versão do temido personagem, por quem me apaixonei, não perdidamente, porque já não me perdia tão facilmente, mas digamos… Apaixonei-me verdadeiramente, pelo que ele passou a representar para mim – homem de olhos lindos, que de tão azuis, coloriam com seu brilho sua barba, conferindo-lhe esse apelido; não matava mulheres, no sentido de privar-lhes a vida, não era um sedutor e muito menos infiel, era sim, um homem honesto que sabia com precisão o que buscava em uma mulher, e nunca escondeu isso de nenhuma delas.

Enfim, ele não enganava (nem a si mesmo), não seduzia, nem prometia o que não poderia cumprir. Em minha opinião, ele era um homem muito bem resolvido e que usava de sua racionalidade em prol de um verdadeiro encontro de amor. (Calminha… ele mora apenas nos livrinhos de estórias e ainda por cima, infantis!). Eu, particularmente, detesto sedutores, por reconhecer neles um grau elevado de insegurança, além de uma total falta de originalidade em seus discursos óbvios e repetidos – o que pode também se resumir em previsibilidade. E todas essas características causam-me enfado.

barba azul

Bom, Barba Azul, apesar de não ser um sedutor, possuía requisitos que por si só, já seduziam todas as mulheres do reino – beleza, posição de destaque e fortuna. Namorava muito, mas uma de cada vez, e sempre usando de uma sinceridade inimaginável, onde não cabiam frases de efeito, nem invenções para impressionar a pretendente. Apenas dizia: “Minha busca é por uma mulher que considero como sendo ideal para mim. Pode ser você, ou não. Para sabermos, convido-a a viver no meu castelo por uma semana enquanto eu vou viajar. Aceita”? Todas aceitavam, e nenhuma, apesar de dotadas de beleza e cultura, passava no teste, momento em que ele dizia: “Sinto muito, não posso casar-me com você”. Ele realmente matava, mas era o sonho dessas mulheres, e preservava o seu. Ato inteligente.

Um dia caminhava pela praia quando avistou Stella Maris “ela não era bonita, bonito eram seus olhos, bonita era sua voz… ouvi música no seu coração” Pela primeira vez ele quis jogar suas convicções para o alto, foi até ela e disse:

“Quer morar em meu castelo”

“Você está me pedindo em casamento”?

Por um segundo, sentiu que ia desistir de sua busca, quando rapidamente recuperou a lucidez e respondeu:

“Ainda não. Ficaremos em aposentos separados, quero primeiro, descobrir você.”

Seus olhos encheram-se de lágrimas, mas ele não queria desviar-se por um atalho incerto. Não queria viver momentos, queria apostar no “para sempre”, no qual tanto acreditava. No castelo ele a explicou que iria viajar, e deixaria com ela um molho contendo sete chaves. Ela deveria usar uma chave por dia para abrir os aposentos nelas indicados. E assim o fez – ele partiu, e ela foi conhecer cada um dos quartos.

Quando ele voltou de viagem, repetiu o ritual de anos – pegou as chaves das mãos da pretendente, trancou-se em seu quarto, assentou-se confortavelmente na poltrona, e de olhos fechados foi segurando uma por uma as chaves. As chaves continham o poder de reproduzir no seu coração todos os sentimentos que sua pretendente experimentara ao abrir cada uma das portas.

Uma era um salão de festas lotado de pessoas dançando, outra era um salão de banquetes, onde outras comiam e bebiam do melhor vinho, depois era a porta do parque de diversões, com crianças correndo para todo lado, depois a biblioteca com milhares de livros e dezenas de leitores atentos, em seguida, a cadetral com lindas músicas e sujeitos com as mais diversas expressões, quase no fim veio o jardim japonês, com seu lagos de carpas, cerejeiras em flores e casais que passeavam inebriados com tamanha beleza. Enfim, a esperada sétima chave – sala imensa, vazia de qualquer presença ou som. Absoluto silêncio. Apenas uma vela acessa e um banco, onde ela assentou-se e ficou por horas a fio, tranqüila com sua solidão. Chorou de emoção e desejou que o tempo parasse ali.

A chave transmitiu tudo a Barba Azul, que emocionado percebia que sua busca havia terminado. Levantou-se foi até Stella Maris e pediu-lhe em casamento.

“Você caminhou pelos prazeres e alegrias humanas e como todas as outras soube compartilhá-los”.

“Mas então… porque eu”?

“Porque entre todas, você foi a única que aceitou fazer companhia à minha solidão. Fácil ser companheira de danças, jantares, discussões literárias, brinquedos. Difícil foi achar quem amasse minha solidão. Nossas solidões são amigas”.

Saber o que esperamos do outro é a única maneira de não errarmos na escolha. Existem pessoas que vivem de barulho, gostam assim. Outras vivem de um falso silêncio, fogem do barulho externo, mas não se permitem calar por dentro. Li em algum lugar que o silêncio é a companhia mais difícil para o homem atual. Quando você já for uma boa companhia para o seu silêncio, busque quem também o seja. Boa reflexão para todos nós.

Artigo escrito por Marcela, escritora no Sentimento Calmo. Brasileira, 43 anos, mãe de três filhos.

Gostou do artigo?
Gostavamos de ter o seu apoio no Patreon. Saiba mais clicando AQUI.

Deixe um comentário

avatar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.