7 fases de um desgosto de amor

O amor é benéfico, sim. Enquanto dura, e nos faz sorrir. Enquanto nos faz sentir felizes, livres, e acarinhados. Mas, é claro, por vezes o desgosto de amor pode ser tão cruel ao ponto de anular toda essa felicidade e acabar com a nossa “vida”. Existem várias fases. Tal como as etapas de uma doença, todas as fases têm sintomas, e todos os sintomas se vão tornando gradualmente e consequentemente piores. Nem sempre é fácil perceber porque se dá o fim do namoro e é muito fácil cair numa depressão. O mais importante passa por conseguir ultrapassar a negação e superar a tristeza.

desgosto de amor

7 fases de um desgosto de amor

Fase 1- Vazio – A pessoa não sente. Não sente absolutamente nada pois tenta acreditar que tudo é uma mentira. Tenta esquecer o dia em que sofreu o desgosto de amor, com a companhia dos amigos, mas sem contar o que aconteceu.

Fase 2- Esperança – Para os mais teimosos e persistentes, tal como continuam a acreditar que “ainda é possível”, continuam também a lutar. Metem na cabeça que talvez, as provas não foram suficientemente fortes ou numerosas, e atiram-se de novo, sem sequer ver se existe chão.

Fase 3- Colapso – A pessoa que se ama, já não está lá. Aquela pessoa já não existe como dantes, não voltará a ser a ajuda que sempre acreditámos ter sempre que precisamos. “Tormento é viver sem esperança”. As lágrimas não são escassas, a dor no peito é tão grande como se o coração tivesse entrado em colapso. Uma dor cruel, respiração desesperada, e o isolamento do mundo, pois este não compreende a catástrofe que existe dentro da pessoa.

Fase 4- Esperança ( 2 ) – Existe a tentativa de voltar a reaver aquela amizade forte, que antes se dizia indestrutível. Criar laços, fraternos, talvez, tentar atenuar a dor, continuando perto.

Fase 5- Recaída – A pouca distância faz sentir amor de novo. Com uma diferença, é um amor que sabem que no fundo magoa ambas as partes, e faz afastar quem mais se gosta. Encontramos-nos sozinhos, e fazemos um esforço para dar espaço. Tirar férias do amor, e libertar quem nele estava contido.

Fase 6- Refúgio – Começa a nascer um sentimento monótono e pessimista. Nem todos compreendem os nossos desabafos por isso encontramos refúgios como o papel para escrever (ele que nos ouve e não reclama), a comida, o chocolate, o álcool, droga, medicamentos… algo que nem sempre nos faz bem, mas nos faz sentir melhor. Ou podemos ver isso como um castigo, por que em último caso, nós somos o/a maior culpado/a.

Fase 7- Terminal – Quando a música nos revolta, a voz dos amigos não vale nada, os ciúmes se apoderam de nós ao ver a pessoa que amamos com outro/outra, ou mesmo ao sentir que tudo nos ignora, existe aquela vontade de desaparecer. E , talvez com um sentimento egoísta, queremos morrer. E cometemos uma loucura. Porque isto não acontece só nas histórias de amor como Romeu e Julieta, quando se ama de verdade, e depois de cair, não encontrar ajuda, só nos resta desaparecer.

E quando pensávamos no início que o nosso filme se iria chamar “Os 7 sinais do amor”, o mundo perde a cor e a luz, e toma o nome de “Os 7 sinais da morte”. E quando o amor nos quer dar outra oportunidade, por vezes é tarde demais. Mas a vida não é apenas amor, por isso o importante é focar-nos naquilo que nos faz sentir bem e esquecer ou apaziguar tamanha dor.

Artigo escrito por Clara Godinho, colaboradora do Sentimento Calmo.

Deixe um comentário

12 Comentários em "7 fases de um desgosto de amor"

avatar
newest oldest most voted
JOANA
Visitante

E VERDADE….TAMANHA DOR IMPOSSIVEL DE SUPORTAR, JAMAIS PENSEI QUE PUDESSE EXISTIR…………………

António Correia
Visitante

Tens toda a razão no que escreveste

wanderley
Visitante

Eu afogo minhas magoas trabalhando até as quinhentas..

Carlinha
Visitante

Pura verdade: ALGUNS se refugiam na bebida, outros caem na farra, outros entram em depressão, outros se internam nas drogas (tive um ex assim…), eu, por exemplo, corro gastar…shopping, shopping…kkkkk

” encontramos refúgios como o papel para escrever (ele que nos ouve e não reclama), a comida, o chocolate, o álcool, droga, medicamentos… algo que nem sempre nos faz bem, mas nos faz sentir melhor. Ou podemos ver isso como um castigo, por que em último caso, nós somos o/a maior culpado/a.”